quarta-feira, 20 de junho de 2012

É dançando que a gente aprende


Introdução 
Não há dúvida que as crianças pequenas adoram se movimentar. Elas vivem e demonstram seus estados afetivos com o corpo inteiro: se estão alegres, pulam, correm e brincam ruidosamente. Se estão tímidas ou tristes, encolhem-se e sua expressão corporal é reveladora do que sentem. Henri Wallon nos lembra que a criança pequena utiliza seus gestos e movimentos para apoiar seu pensamento, como se este se projetasse em suas posturas. O movimento é uma linguagem, que comunica estados, sensações, idéias: o corpo fala. Assim, é importante que na Educação Infantil o professor possa organizar situações e atividades em que as crianças possam conhecer e valorizar as possibilidades expressivas do próprio corpo.

Conteúdo relacionado

Reportagens
·         Dança criativa
·         A linguagem do corpo
·         Bases para a dança

Atividade
·         Primeiras acrobacias

Objetivos 
- Conhecer e valorizar as possibilidades expressivas do próprio corpo. 
- Comunicar, através do movimento, emoções e estados afetivos. 


Conteúdos 
Expressividade / Dança 


Ano 
2 a 6 anos 

Tempo estimado 
20 a 30 minutos


Material necessário 

Pedaços de tecido leve (quadrados de 50x50 cm) Aparelho de som 

Espaço 

Uma sala grande. Se não houver um espaço sem móveis, prepare a sala antes, afastando mesas e cadeiras, privilegiando o espaço central. A música é muito importante e a cada momento da atividade vamos apresentar uma sugestão.

Desenvolvimento da atividade 

As crianças e você também - devem estar descalças e usando roupas confortáveis! 

1 Comece reunindo as crianças. A música pode ser alegre, como A Canoa Virou (Palavra Cantada, CD Cantigas de Roda). Sentados no chão numa grande roda, com as pernas estendidas, proponha que brinquem de massa de pés: todos devem chegar para a frente arrastando o bumbum até que os pés de todos se toquem. Os pés se agitam se acariciam, ora mais lentamente, ora mais rapidamente. Você pode enriquecer a brincadeira, sugerindo: 
- O meio da roda é uma piscina! 
- O meio da roda é uma grande gelatina! 
- O meio da roda é um tapete de grama! 


2 Peça que todos se deitem no chão. Coloque uma música no aparelho de som. É importante que seja uma música alegre, que estimule as crianças a se movimentar, porém sem excitá-las demais. Sugestão: Loro (Egberto Gismonti, CD Circense). 
Não se esqueça que, para as crianças pequenas, o entorno simbólico é muito importante para a atividade. Diga a eles que a sala vai se transformar numa grande floresta e todos serão habitantes dela... 

Todos os bichos estão dormindo. Aos poucos, vão acordar. 

Primeiro todos serão aranhas, que andarão com o apoio dos pés e das mãos no chão... 
Depois se transformarão em minhocas, arrastando-se pelo chão com a lateral do corpo... 
Logo serão cobras, arrastando-se pelo chão com o apoio da barriga... 

Tatus-bola, que com um movimento de abrir e fechar sua casca percorrerão a floresta... 
Leões, tigres, leopardos, de quatro patas pelo chão... 

Coelhos que andam pelo espaço com pulos pequenos e cangurus que percorrem a floresta com pulos grandes e largos... 

Passarinhos que batem suas asas bem pequeninas e águias que voam lá do alto com suas asas enormes e bem abertas... 


3 Distribua para as crianças os pedaços de tecido coloridos, um para cada um. É importante que eles sejam leves e que produzam movimento ao serem agitados pelas crianças. Deixe que elas explorem a sala manipulando os pedaços de tecido. Sugira que as crianças pintem a sala com os tecidos, como se fossem pincéis. A sala toda tem que ficar pintada o chão, as paredes, o teto. Diga às crianças que nenhum pedaço da sala pode ficar sem pintar. Sugestão de música: Peixinhos do Mar (Milton Nascimento, CD Sentinela). 



4 Sempre ao som de uma música (por exemplo Fome Come, da Palavra Cantada, CD Canções de Brincar), sugira uma brincadeira que as crianças adoram: peça que joguem os tecidos para cima e a os peguem, a cada vez, com uma parte diferente do corpo: 
- com a cabeça 
- com a barriga 
- com o braço 
- com o cotovelo 
- com os pés 
- com as costas 
- com o bumbum 
- com as palmas das mãos etc. 

5 Para terminar, um gostoso relaxamento. Sugestão de música: Palhaço (Egberto Gismonti, CD Circense). 
Organize as crianças em duplas e ofereça a elas uma bolinha de algodão ou mesmo um rolinho de pintura, como os usados nas atividades de Artes Visuais. 
Enquanto uma criança fica deitada, a outra deve acariciar seu rosto e partes do seu corpo com o algodão ou o rolinho. Isso deve ser feito com suavidade e cuidado, e possibilita uma interação muito especial das crianças, que, assim, cuidam umas das outras após uma atividade movimentada. 







Avaliação 
O recém-publicado documento Orientações Curriculares Expectativas de Aprendizagens e Orientações Didáticas para a Educação Infantil da Secretaria Municipal de Educação de São Paulo observa que a avaliação que mais deve interessar o professor não é aquela que compara diferentes crianças, mas a que compara uma criança com ela mesma, dentro de certo período de tempo. Assim, o professor tem na observação o melhor instrumento para avaliar a aprendizagem dos pequenos: eles participaram da atividade? Em qual momento se envolveram mais? O que foi mais desafiador para cada criança? E para o grupo? Essas e outras perguntas ajudam inclusive o professor a planejar as próximas atividades, mantendo ou modificando suas propostas dentro do campo de experiências do Movimento para as crianças.

Primeiras acrobacias


Objetivo 
Fortalecer a musculatura.

Ano 
Creche.

Conteúdo relacionado

Reportagens
·         Ginástica com faz-de-conta
·         Ritmo de aprendizado
Atividades
·         Brincar é explorar
·         Atividades com giz

Tempo estimado 
Livre.

Desenvolvimento
Preparando a creche 
- O piso não deve ser escorregadio, e o ideal é que haja rampas com pouca inclinação para subir e descer engatinhando ou escadas de poucos degraus. 
- Espalhe colchonetes se alguma atividade envolver risco de queda. 
- Coloque equipamentos que dêem suporte às crianças, como almofadas para as que estão começando a sentar e pufes, caixas de papelão e uma barra para as que querem ficar em pé.


Atividade 1 
Cada frase que o professor disser será repetida pelas crianças. 
"Vamos passear na floresta?" 
"Então, vamos!" (caminhar pelo espaço) 
"Xiii! Olha lá! Um rio!" 
"Vamos passar?" 
"Por cima não dá!" (esticar o corpo) 
"Por baixo não dá!" (abaixar o corpo) 
"Então vamos nadar?" (movimentar os braços) 
O jogo prossegue com variações nas propostas de movimentos: 
"Xiii! Olhá lá! Uma árvore! Vamos subir?" (movimentar braços e pernas, como se estivesse subindo) 
"Uma caverna! Vamos entrar?" (arrastar-se pelo chão ou andar agachado) 
Entrando na caverna, o professor diz: 
"Xiii! Está tudo escuro!" (fechar os olhos e tocar nos colegas) 
"Xiii! Uma cauda comprida... um pêlo macio... um focinho gelado... É uma onça! Vamos correr?" (correr, fazendo o caminho inverso) 
"Xii! Uma caverna! Vamos sair? Xii! Uma árvore! Vamos subir? Xii! Um rio! Vamos nadar? Xii! Uma casa! Vamos entrar? Xii! Uma porta! Vamos fechar?" (deitar no chão) 
Para concluir: 
"Ufa! A onça não pegou ninguém! Ainda bem!" (descansar) 


Atividade 2 
Os desafios corporais podem variar conforme a proposta. Por exemplo, passear no fundo do mar: nesse caso, os movimentos de braços e pernas são feitos com todos deitados no chão. Outras opções são entrar em cavernas, passar por muitas algas, afundar num abismo profundo e fugir de um tubarão. 


Atividade 3 
Uma outra opção é fazer de conta que está voando: as crianças podem fazer a seqüência de pé, para se locomoverem no espaço. Sugira que elas sejam pássaros, que voem sobre a montanha, pousem numa rocha, mergulhem num abismo e fujam de um gavião. 

Avaliação 
O importante aqui não é saber quem consegue ou não fazer o que foi proposto ou comparar a agilidade de um e outro. Avalie se o tempo de duração foi adequado, se os pequenos se envolveram e seguiram suas sugestões. Verifique se alguma coisa deverá ser modificada numa próxima vez.







Atividades com giz


Objetivos 
- Promover momentos de vivência lúdica e socialização. 
- Favorecer o aprendizado de regras. 
- Trabalhar o movimento e a expressão corporal. 


Conteúdo 
Movimento. 


Anos 
Creche e pré-escola. 


Tempo estimado 
O ano todo, uma vez por semana. 


Material necessário 
Giz (ou carvão) e pedrinhas. 

Conteúdo relacionado
Reportagens
·         Riscar e aprender 
·         Brincadeiras com corda
Atividades
·         Amarelinha do caco
·         Vamos brincar?
·         Primeiras acrobacias

Desenvolvimento
Regras do caracol 

Para a creche
Uma por vez, as crianças saltam, de casa em casa, em direção ao centro do caracol, que é o céu. Chegando lá, descansam e voltam à primeira casa. Elas podem pular com os dois pés e, para isso, as casas são um pouco maiores do que as usadas com as turmas do pré. Não vale pisar nas linhas ou fora.

 Para a pré-escola 
As casas podem ser um pouco menores e numeradas e só vale pular num pé só. Cada criança lança uma pedrinha no 1 e começa a pular de casa em casa a partir do número 2. No céu, ela descansa e faz o percurso de volta, recolhendo a pedra e continuando os pulos até terminar. Já fora do caracol, ela lança a pedrinha no 2, no 3 e assim por diante. Quem pisar nas linhas, saltar fora, jogar a pedra na casa errada ou se esquecer de pegá-la perderá a vez. 

Regras da toca do coelho 

Para a creche O número de círculos é igual ao de crianças. Cada uma se posiciona dentro de uma toca. Juntas, todas cantam o versinho "coelho sai da toca, um, dois, três!". No fim da frase, todos saem de seu círculo e procuram um novo o mais rápido que conseguirem. Nessa faixa etária, a simples troca de toca já é um desafio. 

Para a pré-escola Há um círculo a menos do que o número de crianças. Elas tiram na sorte quem será a raposa, ou seja, o pegador. O restante da turma, depois de cantar "coelho sai da toca, um, dois, três!", trocam de casa enquanto a raposa tenta capturar um coelho. Quem for pego se torna o novo pegador. 

Regras do labirinto 
Para a creche 
Uma possibilidade é estabelecer um ponto no desenho, bem distante da criança, e pedir para que ela chegue até lá. O desafio é seguir apenas pelas linhas riscadas no chão.

Para a pré-escola As crianças tiram na sorte quem será o pegador, que começa o jogo no centro do círculo. Os demais participantes escolhem posições em outros lugares do circuito. Só é permitido andar e correr sobre as linhas. Ao encontrar um amigo, é preciso dar a volta e escolher outro caminho. Quem for capturado também passa a seguir os amigos. Vence o último a ser pego. Se a classe for grande, divida a turma em blocos para evitar congestionamentos. 

Regras do circuito 
Para a creche 
As crianças percorrem trilhas riscadas no chão pisando em linhas retas e curvas. A graça é variar os modos de completar os circuitos: caminhando depressa, pulando com os dois pés, andando de lado ou com as mãos dadas com um amigo. 

Para a pré-escola Além de ganhar círculos e elipses de diferentes tamanhos, o circuito pode conter elementos variados, incluídos pelo professor e também pelos pequenos. Alguns exemplos: colchonetes para cambalhotas, cordas que vão de um apoio a outro para que elas passem por baixo, túneis e rolos como obstáculos para saltos. No início da brincadeira, mostre como atravessar os obstáculos. Em um segundo momento, deixe trechos em branco para que as crianças inventem movimentos ou bifurque o caminho para que elas escolham entre um e outro desafio. Mais tarde, também é possível dividir a turma em grupos para que construam percursos sozinhos. 

Avaliação 
De acordo com a faixa etária das crianças, observe se elas praticam os movimentos exigidos com mais qualidade, incluem novas expressões corporais em seu repertório, aproveitam as oportunidades de socialização para avançar em questões como colaboração e competição, conseguem seguir regras cada vez mais elaboradas e constroem jogos.







Amarelinha do caco

Esta seqüência didática está ligada à seguinte reportagem de NOVA ESCOLA 
Chão de giz  - Maio de 2008

Objetivos
Desenvolver a consciência corporal, a capacidade de saltar num pé só, girar e equilibrar-se. 
Estimular a combinação de regras.

Mais sobre brincadeiras
Reportagens
·         Ginástica com faz-de-conta 
Planos de aula
·         Brincadeiras indígenas
·         Brincadeiras na frente do espelho 

Ano 4 a 6 anos 

Tempo estimado 
Livre 

Material necessário 
Um caco de telha ou uma pedra pequena (aproximadamente de 5 cm x 5 cm) e um giz branco. 


Desenvolvimento das atividades 
Atividade 1 
Quem conhece o jogo de amarelinha? Proponha à turma uma brincadeira que se parece com ele até no nome: amarelinha do caco. Peça a um voluntário que faça com o giz um quadrado no chão. Não estipule uma metragem: permita que os pequenos encontrem o tamanho ideal. Feito o quadrado, ele precisa ser riscado e numerado de acordo com o esquema abaixo (veja as regrasabaixo). 


Atividade 2 
Quando a turma já tiver dominado a tarefa de atravessar o tabuleiro chutando a pedrinha ou o caco pulando num pé só, estimule variações: primeiro, pular com o caco equilibrado na palma da mão; depois, com ele sobre os dedos formando um copinho; por fim, colocando-o atrás do joelho dobrado. Incentive que as crianças sugiram modificações. 

Avaliação 
Atente para a capacidade de interação de cada criança e o desenvolvimento do equilíbrio e da capacidade de salto e giro nos vários níveis de dificuldade oferecidos. Use essas observações para propor variações do jogo ou novas brincadeiras.






Ilustração: Rubens Paiva
Como é o jogo 
1. Os pequenos definem no par-ou-ímpar quem começa. O primeiro jogador fica fora do desenho e deve atirar a pedrinha ou o caco no quadrado. 
2. Pulando num pé, a criança precisa ir chutando o caco da casa 1 para a 2. Depois, para a 3, a 4 e a 5. O jogo acaba com ela voltando para a casa 1. 
3. O "céu" é uma área válida quando jogador e caco estiverem na casa 4: a criança pula no céu e pode colocar os dois pés no chão para descansar um pouco. 
4. Se chutar o caco para fora do desenho ou para uma casa errada, ou se deixá-lo cair em cima da linha, o jogador passa a vez para outro.

Brincadeiras na frente do espelho

Objetivos 
- Familiarizar-se com a imagem do corpo. 
- Trabalhar imitações, gestos e expressões. 
- Construir a identidade.

Conteúdo relacionado
Reportagem
·         Hora de se conhecer

Ano Creche. 

Tempo estimado 
De 15 a 20 minutos por dia.


Material necessário 
Dois espelhos grandes (de preferência presos à parede), cartazetes com fotos de diferentes expressões faciais retiradas de revistas ou da internet, aparelho de som, fantasias, bijuterias, chapéus, maquiagem infantil e colchonete. 


Desenvolvimento 
Todas as atividades devem ser feitas em frente aos espelhos, sempre estimulando a observação. 


Atividade 1 
Incentive os pequenos a observar a própria imagem. Peça que eles toquem diferentes partes do corpo. Proponha brincadeiras como balançar os cabelos, levantar os ombros e cruzar os braços. Estimule-os a imitar os gestos dos colegas: Vejam a careta do João! Vamos fazer igual? 


Atividade 2 
Coloque músicas do cancioneiro popular (Caranguejo Não É Peixe, Cabeça, Ombro, Perna e Pé etc.) que abordem partes do corpo ou sugiram movimentos. O objetivo é se aventurar em novos gestos e imitar os colegas. 


Atividade 3 
Proponha agora a brincadeira seu-mestre-mandou. Com todos em pé, dê os comandos: Cruzar as pernas!, Ajoelhar-se!. A cada posição, estimule-os a se observar e testar possibilidades de movimento. 


Atividade 4 
Para brincar com expressões faciais, mostre cartazetes com diversas fisionomias. Depois, sugira que a garotada faça caretas variadas.


Atividade 5 
Hora do faz-de-conta: sugira que cada um escolha se quer brincar de casinha, fantasiar-se ou maquiar-se. Ofereça novas possibilidades de acessórios e de brincadeiras. 


Avaliação 
Observe se houve concentração, interação com o espelho e com os colegas e exploração dos gestos e materiais. Sempre que possível, repita a seqüência com outras propostas e brincadeiras.

Hora de se conhecer

Atividades com espelhos ajudam as crianças da creche a construir sua identidade e a entender os limites do próprio corpo

Quem sou eu? Como sou? As respostas a essas questões são fundamentais para a construção da personalidade. Cedo a criança começa a se entender como sujeito e adquirir consciência corporal para se desenvolver e se organizar no espaço e saber se posicionar e se diferenciar do outro. Durante o primeiro ano de vida, os pequenos percebem que são seres independentes da mãe. Há uma fase de exploração das mãos e, depois, a fascinação com o próprio reflexo. "Nas primeiras vezes que a criança depara com a própria imagem pode sentir vergonha ou medo, mas rapidamente se habitua", diz Luciene Tognetta, do Laboratório de Psicologia Genética da Universidade Estadual de Campinas. Começa então a autodescoberta, numa exploração sensorial relacionada ao desenvolvimento psicológico, essencial para que o indivíduo se perceba como alguém autônomo e com domínio de si. Pensando no desenvolver da identidade desde cedo, a coordenadora pedagógica Caroline Folgar, da Creche Gota de Leite, em Santos, no litoral paulista, elaborou uma sequência de atividades com espelho para crianças de 2 e 3 anos. "É muito divertido. Elas dão risada e às vezes ficam  concentradas se observando", conta. Caso alguém se assuste ao se ver fazendo caretas, basta mostrar que tudo é brincadeira e, se estiver fantasiado, simplesmente tirar o acessório que o amedrontou.
Beatriz Ferraz, professora da Escola de Educadores, em São Paulo, comenta que essas atividades são uma oportunidade de a criança se enxergar por inteiro e exercitar o uso competente do corpo: "Os educadores que conhecem o desenvolvimento cognitivo e afetivo podem oferecer experiências ricas de diversidade".

<iframe width="560" height="315" src="http://www.youtube.com/embed/d_xqbhPMEGA" frameborder="0" allowfullscreen></iframe>

Nenhum comentário:

Postar um comentário